Vinhos

O gosto ácido do vinho

Diversos ácidos orgânicos provenientes da uva e outros produzidos durante as fermentações formam o gosto ácido dos vinhos, percebido maiormente nas laterais da nossa língua. Os principais ácidos provenientes da uva são: o tartárico, o málico e o cítrico. Os principais ácidos produzidos durante as fermentações são: o succínico, o lático e o acético. Existem muitos outros ácidos presentes no vinho, mas não possuem a mesma importância organoléptica que os mencionados.  Cabe destacar que a acidez em um vinho é muito importante, tem influência na cor, no brilho, nos aromas, no frescor, na estrutura, na estabilidade microbiológica, na longevidade e…
Leia mais

Os vinhos são veganos?

Temos recebido várias perguntas sobre este tema, e não por parte de pessoas veganas, senão por aqueles que acharam curioso o fato de que um produto como o vinho, que somente é feito com uvas, possa não ser vegano. Assista o video abaixo, onde o sommelier Mario Leonardi tira essas dúvidas: https://youtu.be/DdbNS-wp8S0
Leia mais

Lançam os primeiros vinhos brancos da D.O. Ribera del Duero

A Denominação de Origem Ribera del Duero, uma das mais prestigiosas da Espanha e de grande reconhecimento mundial, especialmente por seus vinhos tintos de alta qualidade (produzem também rosados), em 2019 permitiu a produção de vinhos brancos com a uva Albillo Mayor como a principal protagonista. Recentemente vários rótulos foram apresentados em diferentes eventos. Foto: riberadelduero.es Segundo técnicos da D.O. Ribera del Duero, a Albillo Mayor é uma variedade difícil de cultivar, porém muito versátil, elegante e com grande potencial para o envelhecimento. Vinhos que possuem muita complexidade em boca e com boa acidez, o que os deixa expectante para…
Leia mais

Em defesa da taça flûte

Ultimamente tem-se falado muito sobre este tipo de taça para vinhos espumantes. Alguns profissionais e outros apaixonados pela bebida até sugerem não utilizá-la mais, já que não é apropriada para apreciar os aromas da bebida. Mas será que é tão assim? Sabemos muito bem que o tamanho e forma das taças influenciam na apreciação aromática e até gustativa de um vinho, por isso é que são fabricadas taças exclusivas para ressaltar as características de cada vinho, como já tenho escrito em outras matérias. Devemos levar em conta que existem muitos tipos de espumantes, com características aromáticas distintas, seja pelos métodos…
Leia mais

As matérias mais lidas de 2019

Matérias em destaque no site missaosommelier.com.br Em primeiro lugar: “O VINHO TEM GOSTO UMAMI?”. Pesquisei e escrevi sobre este tema devido ao crescimento de degustadores que citam o gosto em degustações. É um tema difícil, porque mesmo que o vinho possua compostos responsáveis por gosto umami, não haveria suficiente para percebê-lo. Convido a ler a matéria e tirar suas próprias conclusões.Acesse o link para ler na íntegra: http://missaosommelier.com.br/o-vinho-tem-gosto-umami/ Em segundo lugar: “DEGUSTAÇÃO: TODOS PERCEBEMOS DE FORMAS DIFERENTES”. Estudo e gosto muito de falar sobre este tema. O objetivo da matéria é demostrar que duas pessoas não sentem as mesmas características…
Leia mais

Que seja diferente não quer dizer que seja bom

Geralmente para a maioria de nós que trabalhamos na área de bebidas, é bom encontrar e degustar produtos com novos perfis sensoriais. Novos aromas, sabores e outras características que podem resultar atraentes. Mas parece que para algumas pessoas, o fato de um vinho ser diferente (devido a um método de elaboração específico, à utilização ou não de certos insumos ou por outros motivos) é suficiente para dizer que é bom ou melhor. É claro que algumas dessas características podem contribuir com a qualidade do produto, mas, são vários os parâmetros que devemos levar em conta para fazer dita avaliação. Diferença…
Leia mais

Degustação: todos percebemos de formas diferentes

É improvável que duas pessoas sintam as mesmas características sensoriais ao degustarem um mesmo vinho. É muito comum ouvir em degustações diferentes apreciações de um mesmo vinho. Que tem esse ou aquele tipo de aroma, que apresenta defeito ou não, que é mais ácido ou mais amargo, etc. Os exemplos são diversos, as vezes até tentamos desqualificar a opinião de outro degustador quando difere da nossa. A questão é que se torna mais fácil achar diferenças nas apreciações que coincidências, e isso é demonstrado por estudos na área. Primeiramente podemos citar diferenças fisiológicas entre degustadores. Algumas são mais significativas que…
Leia mais

É possível descomplicar o mundo do vinho?

Diz um ditado, que só é impossível aquilo que não se tenta. Mas, será que se aplica ao vasto e complexo mundo do vinho? Nos últimos anos escutei muitas pessoas, tanto amadores como profissionais, dizerem que falam ou escrevem de modo simples e descomplicado. Que irão desmistificar a bebida e até desvelar os mistérios do vinho. Reconheço que não sei o que significa esse último, talvez porque também seja mistério para mim. O curioso é que várias dessas pessoas abordam questões que nem mesmo a ciência consegue explicar, pelo menos até agora, e opinam sem nenhuma argumentação técnica. Alguns utilizam…
Leia mais

O vinho tem textura?

A maioria dos parâmetros que definem textura de um produto tem mais a ver com sólidos que com líquidos. Falar tecnicamente de textura em um vinho pode ser complexo. A definição de textura é tão complexa, como o amplo vocabulário para definir as características de um vinho. Muitas vezes escutamos dizer que o objetivo é descomplicar o mundo do vinho, no entanto, complicamos ainda mais, com palavras ambíguas ou expressões incorretas. Segundo algumas normas, a textura é definida como o conjunto de propriedades mecânicas, geométricas e de superfície de um produto, detectáveis pelos receptores mecânicos e táteis e, eventualmente pelos…
Leia mais

Análise gustativa do vinho

É o momento de provar o vinho em boca. Esta etapa requer bastante atenção, uma vez que são muitas as sensações que percebemos: gostos doce, ácido, amargo e salgado; outras sensações como untuosidade, temperatura, sensação de calor produzido pelo álcool, adstringência e borbulhas; e o sabor, que é a combinação de tudo o que percebemos em boca somados aos aromas retronasais. Durante a prova, o gole não deve ser muito grande, nem pequeno demais. Deve ser em quantidade suficiente para efetuar uma análise correta, dividida em três etapas. O ataque é a primeira sensação percebida com o vinho na boca.…
Leia mais