Degustação

Aroma de grafite no vinho?

O aroma de grafite é bastante citado por degustadores de vinhos. Ele pertenceria aos denominados aromas minerais. O tema é polêmico porque alguns defendem a ideia que o vinho possui aromas minerais que tem relação direta à composição mineral do solo, fato que, até hoje, diversos estudos científicos não conseguiram comprovar. Por outro lado, outros profissionais como o enólogo argentino Angel A. Mendoza, afirma em uma das suas excelentes matérias publicadas, e da qual me embasei um pouco para escrever sobre o grafite, que tais aromas não existem e os percebidos e denominados aromas minerais provêm de diversos fatores da…
Leia mais

O vinho tem textura?

Se levarmos em conta literalmente a definição, podemos afirmar que não. É uma característica própria de produtos sólidos, portanto não deveria ser utilizada para líquidos. O correto seria utilizar a expressão fluidez e no caso de produtos semi-sólidos consistência. A definição de textura é tão complexa, como o amplo vocabulário para definir as características de um vinho. Muitas vezes escutamos dizer que o objetivo é descomplicar o mundo do vinho, no entanto, complicamos ainda mais, com palavras ambíguas ou expressões incorretas. Segundo algumas normas, a textura é definida como o conjunto de propriedades mecânicas, geométricas e de superfície de um…
Leia mais

Workshop: Os aromas do vinho

O olfato é um dos sentidos mais importantes que utilizamos na degustação. Grande parte do prazer que experimentamos quando bebemos um vinho vem dos aromas. A formação desses aromas começa no vinhedo e termina quando servimos o vinho na nossa taça, para bebê-lo. Saber quando e como se formam nos ajuda a compreender a vida do vinho como um todo. O workshop será ministrado pelo sommelier Mario Leonardi (Missão Sommelier), é de conteúdo técnico e tem como objetivo aprofundar os conhecimentos da análise olfativa realizada nos vinhos. Programação: A importância dos aromas; A percepção de aromas e os limiares olfativos; Origem,…
Leia mais

Análise gustativa do vinho

É o momento de provar o vinho em boca. Esta etapa requer bastante atenção, uma vez que são muitas as sensações que percebemos: gostos doce, ácido, amargo e salgado; outras sensações como untuosidade, temperatura, sensação de calor produzido pelo álcool, adstringência e borbulhas; e o sabor, que é a combinação de tudo o que percebemos em boca somados aos aromas retronasais. Durante a prova, o gole não deve ser muito grande, nem pequeno demais. Deve ser em quantidade suficiente para efetuar uma análise correta, dividida em três etapas. O ataque é a primeira sensação percebida com o vinho na boca.…
Leia mais

O sabor das borbulhas

Todos os vinhos têm ao menos um pouco de gás carbônico (CO²) produzido pelas fermentações. A quantidade nos vinhos denominados tranquilos é pouca e variável, geralmente percebida na ponta da língua e dificilmente detectada visualmente, como no caso dos espumantes. O gás carbônico tem gosto simples, levemente acidulado e tem grande impacto tátil e gustativo. A quantidade de CO² contribui com o frescor e a vivacidade do vinho, acentua a acidez, reforça o gosto tânico e diminui o gosto doce. Com o envelhecimento do vinho, a quantidade de gás diminui, até se tornar imperceptível.    (mais…)
Leia mais

Como a temperatura influência no sabor do vinho

O vinho na boca e a temperatura Uma das grandes diferenças entre um vinho branco e um tinto é a quantidade de polifenóis que cada um possui. O vinho tinto apresenta antocianos, responsáveis pela cor, e os taninos, que formam parte da estrutura e do corpo. Os taninos são um dos responsáveis por não deixar que vinhos tintos sejam resfriados em demasia, já que ficam muito ásperos, produzindo sensação de adstringência. A exceção ocorre para vinhos com maior quantidade de açúcares, como o vinho do Porto. Estes vinhos podem ser resfriados por mais tempo, uma vez que a aspereza do…
Leia mais

Como a temperatura influência nos aromas do vinho

Os compostos aromáticos possuem diferentes graus de volatilização. Em geral, quanto maior é a temperatura, maior é a volatilização. Claro que existem limites, já que uma temperatura pode beneficiar algum tipo de aroma e prejudicar outro, além de produzir desequilíbrio. Um vinho tinto que em geral deve ser bebido entre 16°C a 18°C ficará alcoólico se for servido a uma temperatura maior, sobretudo se superar os 20°C. Os aromas do vinho também aumentam, porém não tanto como o álcool, e o vinho parecerá desequilibrado. (mais…)
Leia mais

Os aromas do vinho – 2ª parte

Os aromas terciários – O buquê O buquê (do francês, bouquet) é um aroma complexo formado durante a evolução do vinho no tempo. Um vinho jovem só possui aromas primários e secundários, ou seja, não tem buquê. São muitos os fatores que determinam esse tipo de aroma, como as características das uvas e os métodos de elaboração. A formação do buquê começa durante o amadurecimento em barricas ou toneis de carvalho, porém é na garrafa que vai atingir seu apogeu. O tempo é responsável pela formação do buquê, por isso temos que levar sempre em conta o ciclo de vida…
Leia mais

Os aromas do vinho – 1ª parte

A formação dos aromas A formação dos aromas começa no vinhedo e termina quando servimos o vinho na nossa taça, para bebê-lo. Saber quando e como se formam os aromas nos ajuda a compreender a vida do vinho como um todo. Esses dados nos dão uma ideia da origem, do tipo de uvas, dos métodos de elaboração, dos processos de amadurecimento e envelhecimento, entre outras características. (mais…)
Leia mais

Vinho: limpidez, brilho e sedimentos

Limpidez e brilho A limpidez depende da ausência de partículas em suspensão no vinho - um dos aspectos mais importantes da análise visual. Ela nos oferece indícios sobre o estado de sanidade do produto. O vinho não deve estar turvo ou vedado, nem ter sedimentos se for jovem, o que indicaria alguma alteração ou defeito. (mais…)
Leia mais